Federação do Estado de São Paulo

Federações de Gueitebol no Brasil

 

Criação de Federação

  A ideia de se criar a Federação de Gueitebol surgiu, em 15 de junho de 1994, quando sr. Yutaka Mori exercia a função de presidente da União dos Clubes de Gueitebol. Ele chegou a elaborar um Estatuto, certamente, baseado no modelo de alguma modalidade de esporte. Entretanto, essa ideia não foi bem aceita pelos seus pares. A segunda tentativa para a criação de Federação foi na gestão do presidente Toru Hondo, em 15 de setembro de 2002, numa reunião especial de 18 representantes de diversas regionais, realizada em São Paulo. Também, nessa ocasião, foi elaborado um Estatuto da Federação de Gueitebol do Estado de São Paulo pelo então vice-presidente e secretário geral da UCGB, sr. Seizi Oga. Um dos maiores entusiastas pela ideia era o representante da Regional Sorocabana, sr. José Terumaro Oshiai. Dizia ele que a palavra gateball deve ser aportuguesada para gueitebol, à semelhança do que foi feito com a maioria dos esportes no Brasil, tais como football para futebol, voleyball para voleibol, baseball para beisebol. Mais uma vez, o objetivo não foi concretizado, diante do argumento de alguns participantes de que “se podemos curtir o gueitebol como está, para que criar Federação que vai ser uma entidade que requer mais uma anuidade para pagar”. O segundo Estatuto foi também arquivado.

A terceira tentativa ocorreu numa reunião realizada no dia 31 de maio de 2015 nos recintos do Estádio de Gueitebol sito à Avenida Leonardo da Vinci, 1551, Vila Guarani. A reunião foi coordenada pelo sr. Seizi Oga da UCGB e contou com a participação de 66 pessoas de diversas Regionais. O novo Estatuto atualizado foi apresentado e submetido à apreciação dos participantes. O texto foi aprovado na sua íntegra e, ao mesmo tempo, constituída a primeira diretoria da FEDERAÇÃO DE GUEITEBOL DO ESTADO DE SÃO PAULO sob a presidência do sr. Seizi Oga. O Estatuto foi registrado no 10o Oficial de Registro Civil de Pessoa Jurídica da Capital, SP, sob no 33.957. Alguns meses antes, o Estado de Mato Grosso do Sul havia criado a Federação daquele Estado, por iniciativa do grupo das Associações de Mato Grosso do Sul, coordenado pelos srs. Jorge Kaku e Yoshiaki Aratani. Em janeiro de 2017, em Palmas foi criada a Federação de Gueitebol do Estado do Tocantins sob a liderança de srs. Nelson Nakamura e Edson Nakamura. Portanto, há no Brasil três Federações legalmente instituídas.

Objetivo principal

É de criar várias Federações de Gueitebol no Brasil e uni-las para formar a CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GUEITEBOL, no esquema adotado por quase todas as modalidades esportivas no Brasil e no mundo. A instituição da Confederação não significa criar mais uma entidade similar, mas sim transformar a União dos Clubes de Gueitebol do Brasil em Confederação, mediante alteração do Estatuto. A mesma diretoria da UCGB deve dar continuidade à direção da Confederação, sem introduzir grandes modificações na atual estrutura e distribuição das Regionais. Vantagens da transformação da União dos Clubes de Gueitebol do Brasil (UCGB) em Confederação Brasileira de Gueitebol (CBG) Estabelecimento de maior contato das Associações e Clubes com as respectivas Federações e reduzir os contatos diretos das Associações e Clubes com a Confederação; Distribuição de trabalhos, atualmente centralizados exclusivamente na UCGB, para Federações como, por exemplo, na ministração de cursos de Técnicas de Gueitebol e de Arbitragem e na organização de campeonatos regionais; Profissionalização do esporte e mudar a imagem do gueitebol, deixando de ser um “joguindo de idosos” e passando a ser esporte popular reconhecido pelo governo; Obtenção de subsídio e apoio oficial das Secretarias de Esportes do Estado e do Município, assim como do Ministério do Esporte; Preparação para transformar o gueitebol num esporte olímpico. Cuidados a serem tomados na transformação da UCGB em CBG O Artigo 45o do Estatuto da UCGB determina que, em caso de dissolução da entidade, os seus bens patrimoniais serão doados integralmente à entidade assistencial e filantrópica sem fins econômicos, a critério da resolução da Assembleia Geral. Portanto, a UCGB não deve ser extinta, mas sim transformada em outra entidade oficial de fins idênticos, mediante alteração da sua denominação.

Atribuições das Federações e da Confederação

Todos os eventos – torneios, campeonatos, festividades comemorativas – de âmbitos municipal e estadual serão organizados pelas Federações. Todos os eventos – campeonatos, torneios, festividades comemorativas – de âmbitos nacional e internacional serão organizados pela Confederação.

Regionais

Todas as Regionais existentes devem ser mantidas e subordinadas às respectivas Federações e à Confederação.

Novas Federações

Há possibilidade de serem criadas as Federações dos Estados do Paraná, Goiás, Rio de Janeiro e Pernambuco. Os Estados da Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará e Rio Grande do Sul que possuem pequeno número de atletas terão dificuldade para constituir suas Federações. Uma alternativa seria de esses atletas se integrarem às Associações mais próximas já filiadas à Federação. Os atletas que não são filiados à Federação não terão direito de participação nos Torneios e Campeonatos oficiais onde há disputa de títulos, porém, podem participar de Torneios e Campeonatos abertos organizados pelas Federações e Confederação.

Controle do patrimônio e das finanças

Principais receitas

As Federações e a Confederação terão seu controle financeiro independente, tendo como principais receitas: as mensalidades/anuidade das Associações e dos atletas filiados subvenções e doações juros e rendas rendas oriundas de patrocinadores inscrições dos atletas nas competições

Principais despesas

Impostos, alugueis, taxas, luz, água, telefone, correio e prêmios de seguros Mensalidades e taxas devidas às entidades nacionais e internacionais Salários de funcionários e honorários por serviços prestados por pessoas física ejurídica Contribuições, taxas e multas Despesas de locomoção de diretores Custeios de competições

São Paulo, 09 de janeiro de 2019
Federação de Gueitebol do Estado de São Paulo