BOLETIM RENGÔ Nº101 JUNHO/2018

Torneio de Gueitebol para Árbitros

No dia 10 de junho, domingo ensolarado mas frio, foi realizado nas quadras do Estádio de Gueitebol da UCGB – Vila Guarani – São Paulo, o 17º Torneio Brasileiro de Gueitebol para Árbitros, com a participação de 145 atletas portadores do título de árbitro oficial, dentre eles 49 árbitros Ikkyu com graduação internacional.

A cerimônia de abertura às 8 h foi feita por Sadako Oga, diretora de Relações Públicas da UCGB que passou, inicialmente, a palavra ao presidente Hatiro Honda. Honda agradeceu a presença de todos e explicou a importância desse torneio, visando o aprimoramento técnico dos árbitros internacionais que atuarão no campeonato mundial de setembro. O presidente disse ainda que 39 árbitros brasileiros deverão ser convocados para o campeonato, conforme a decisão tomada, até o momento, pela World Gateball Union (WGU); com a vinda ao Brasil de representantes dessa entidade, em julho, poderá ser definido melhor o número de árbitros titulares assim como de árbitros de apoio. O último treinamento dos árbitros, precedendo ao campeonato mundial, será no dia 2 de setembro, no mesmo local.

O diretor de arbitragem Mário M. Takamura explicou sobre a programação do torneio. Os participantes foram divididos em cinco quadras com 20 equipes, identificadas pelos capitães e jogando em três rodadas. A parte técnica foi coordenada por Teruo Tagomori. Em cada quadra foram designados três grupos de árbitros, formando trios, intercalando nas funções de árbitro e de apoio “staff”. Em cada rodada, foi feito treinamento da sequência, desde a cerimônia inicial feita nos locais de concentração, até a condução de equipes às respectivas quadras pelos árbitros. Um coordenador/orientador foi designado para cada quadra com a finalidade de fazer esclarecimento e correção em eventuais falhas de arbitragens. Às 14 h, encerrou-se o torneio com a entrega de 1 kg de arroz a todos os participantes.

 

Copa Rengô de Gueitebol

A União dos Clubes de Gueitebol do Brasil vem realizando há cerca de 15 anos a Copa Rengô de Gueitebol, competição oficial que reúne jovens e idosos, em equipes mistas ou simples entre homens e mulheres, procedentes da capital e de outras cidades.

No dia 16 de junho, foi realizada a sua 70ª edição, com a participação de 29 equipes, 20 de kooreisha (acima de 70 anos) e 9 de soonen (sem restrição de idade).

Como de praxe, foi iniciada a solenidade de abertura às oito horas com a apresentação da diretora Keiko T. Iyda que, após um minuto de silêncio, pediu ao presidente Hatiro Honda para sua saudação. O presidente agradeceu a todos pela presença e anunciou a lista de participantes do Campeonato Mundial no total de 17 países, recebida da World Gateball Union. Seguiram-se os comentários técnicos dos diretores Yuriko Okuyama e Teruo Tagomori, com especial ênfase à rigorosa obediência às regras oficiais e a manners.

Os jogos transcorreram sem nenhum incidente e os resultados avaliados, depois da conclusão de quatro jogos de todas as equipes, foram: na categoria kooreisha: campeã – Saga I (Miyazaki), vice – Uruma (Iramina), 3º lugar – Saga H (Fujiki), 4º lugar – Matilde (Honda); na categoria soonen, campeã – Ibirapuera B (Yamada), vice – Saga A (Maruyama), 3º lugar – Saga B (Yoshinaga), 4º lugar – Saga D (Yuriko).

 

Torneio Rengô-hai de Gueitebol em Itapeti

A Regional Central presidida pela Masayo T. Masuda realizou o seu 16º Torneio Rengô-hai, no dia 3 de junho, reunindo no campo da Associação Cultural Agrícola de Itapeti 16 equipes, em categoria única, sendo uma equipe constituída por membros da diretoria do Rengô.

A cerimônia de abertura teve início às 8 horas com a apresentação do diretor de gueitebol Sadagi Sakamoto. Inicialmente, a presidente da Regional Masayo T. Masuda fez a sua saudação, agradecendo aos atletas participantes, assim como a presença de uma equipe da União dos Clubes de Gueitebol do Brasil, constituída por atletas: Seizi Oga, Sadako Oga, Yocio Mizuno, Hatiro Honda e Helena Hiroko Honda. O presidente Hatiro Honda, por sua vez, cumprimentou a presidente e demais membros da diretoria da regional pelo evento e desejou a todos êxito nas competições.

Fez uso de palavra também o diretor Sadanori Dan, representando o presidente da Associação Fabio Kazunori Dan.

O torneio foi desenvolvido ocupando três quadras, uma coberta e duas sem cobertura, cada equipe realizando quatro jogos. A classificação geral das equipes foi conforme segue: campeã – Vila Moraes 3, vice-campeã – Vila Moraes 2 e 3º lugar – Itapeti 2 e Biritiba. Todas as demais equipes, independente da classificação, receberam prêmios especiais de participação.

 

Festividade na Associação Cultural e Desportiva de Caucaia do Alto

A Associação Cultural e Desportiva de Caucaia do Alto (ACDCA) promoveu, no dia 17 de junho, grande festa e um torneio de gueitebol, em comemoração do seu 55º aniversário e os 110 anos da imigração japonesa no Brasil.

Reuniram-se, às nove horas da manhã, vários convidados e autoridades que vieram prestigiar o evento; entre as autoridades presentes estavam os representantes da Prefeitura de Caucaia do Alto, presidente da Câmara dos vereadores, vereador Paulinho Lenha e o vereador Celso Itiki, presidente da OAB Carlos Alberto Miramontes, presidente da União Cultural e Esportiva da Região Sudoeste do Estado Toshiaki Yamamura e diretor Akio Ogawa, presidente Hatiro Honda da União dos Clubes de Gueitebol do Brasil e presidente Seizi Oga da Federação de Gueitebol do Estado de São Paulo. O presidente da ACDCA e coordenador do evento Júlio Katsumi Hagio, no seu discurso, enalteceu a importância da celebração desse tipo de evento para preservar a tradição e registrar os trabalhos efetuados em prol da comunidade pelos sucessivos dirigentes das entidades.

Simultaneamente, no campo, houve um torneio de gueitebol com a participação de equipes procedentes de várias cidades do Estado de São Paulo. As equipes melhor classificadas foram: na categoria kooreisha (acima de 70 anos), Saga – campeã, Atibaia – vice, Jundiaí – 3ª colocada; na categoria soonen (sem restrição de idade), Caucaia – campeã, Nippon – vice e Cafelândia – 3ª colocada.

 

Copa Prof. Hiroshi Doy

A cidade de Suzano é considerada berço de gueitebol do Brasil por várias razões. O cidadão susanense Matsumi Kuroki foi um dos primeiros a trazerem materiais e equipamentos de gueitebol do Japão, para aqui divulgar nova modalidade entre seus amigos e à comunidade através da Associação de Anciões do Brasil. Em 1983, na Assembleia realizada na sede da Associação Cultural de Suzano (Bunkyo de Suzano), nasceu a primeira entidade de âmbito nacional, a Associação Brasileira de Gateball.

A Regional Central da União dos Clubes de Gueitebol do Brasil – Rengô, prestou, no dia 23 de junho, uma homenagem póstuma ao primeiro presidente da Associação Cultural Desportiva de Suzano, Hiroshi Doy, e também comemorou o 39º aniversário de gueitebol no Brasil, realizando um torneio de gueitebol, denominado Copa Hiroshi Doy. A homenagem foi em reconhecimento ao trabalho de Doy desenvolvido ao longo de cerca de quinze anos. Ele pertenceu a um grupo formado, no final da década de setenta, com o objetivo de divulgar gueitebol no Brasil e foi também diretor de arbitragem e de orientação por vários anos da Associação Brasileira de Gateball que, em 1992, passou a ser chamada União dos Clubes de Gueitebol do Brasil.

Na solenidade de abertura, às oito horas, teve a saudação da presidente da Regional Central, Masayo Masuda. Seguiram-se as palavras do Kazuhiro Mori, conselheiro de gueitebol da Associação Cultural Desportiva de Suzano – Bunkyo de Suzano, e do vice-presidente Reinaldo Katsumata do Bunkyo; falaram também os convidados Hatiro Honda, presidente do Rengô, e Seizi Oga, presidente da Federação de Gueitebol do Estado de São Paulo. Por fim, agradeceu em nome da família o filho do homenageado, Massao Doy.

Nas competições, após quatro jogos de cada equipe, as vencedoras foram: na categoria kooreisha, Rengô (Honda) – primeiro lugar, Mogi das Cruzes (Sakamoto) – segundo lugar, Saga A (Miyazaki) – terceiro lugar; na categoria soonen, Saga 2 (Yuriko) – primeiro lugar, Saga 1 (Maruyama) – segundo lugar, Matilde (Kunikata) – terceiro lugar.

 

Jukuren Gueitebol Fureai Taikai  

A 33ª edição do Torneio de Gueitebol de Anciões (Jukuren GB Fureai Taikai) promovido anualmente pela Federação dos Clubes Nipo-Brasileiros de Anciões aconteceu, no dia 26 de maio, no Estádio de Gueitebol do Centro E.E. Riyuzo Ogawa de Vila Guarani, sob a coordenação técnica da União dos Clubes de Gueitebol do Brasil. Participaram onze equipes, das quais foram vencedoras as equipes de: Sakura B – campeã, Atibaia – vice, Aozora Kai e Arujá A – terceira colocação.    

 

COMUNICADO

A Diretoria reunida, no dia 20 de junho de 2018, alterou as normas anteriores publicadas no Jornal São Paulo Shimbun no dia 28/02/2014 e no Boletim do Rengô nº 49 de fevereiro de 2014, relativas à participação de atletas da Copa Rengô, conforme segue: a partir da próxima edição da Copa Rengô, será permitida ao atleta, associado do Rengô e cadastrado numa determinada Regional, participar do evento, integrando a equipe de outra Regional.

 

 

MANNERS

Manners ou atitudes de jogadores e também de árbitros são muito importantes para manter harmonia nas competições, sejam elas amistosas ou oficiais que envolvam a disputa de títulos. O assunto é exaustivamente debatido e não faltam conselhos dados pelos orientadores nos cursos de arbitragem e nos seminários organizados pela União dos Clubes de Gueitebol do Brasil.

No Artigo 4, parágrafo 4, item 3 do livro intitulado Regras Oficiais de Gueitebol e Guia para Árbitros – 2015, está bem explícito o dever do técnico e dos jogadores: “o técnico e os jogadores imbuídos de espírito de fair play, devem relacionar-se cordialmente com os jogadores adversários, seus companheiros, os árbitros e o público em geral”.

No entanto, surgem, com certa frequência, discussões e agressões verbais entre os jogadores, ou entre jogadores e árbitros, durante a evolução de uma partida. As principais causas dessas discussões são os erros cometidos pelos árbitros no julgamento de lances efetuados pelo batedor, por desconhecimento de regras ou por mau posicionamento, p.e., no momento em que ocorre a infração. Daí a importância de os três árbitros, que atuam na quadra, estarem sempre atentos, para evitar erros de arbitragem. A responsabilidade dos árbitros é grande, pois as medidas tomadas pelos árbitros interferem diretamente no resultado do jogo e podem prejudicar uma das equipes, injustamente.

Errar é humano, mesmo árbitros graduados às vezes erram. Mas, o capitão da equipe que se julgar prejudicado tem o direito de reclamar e o árbitro que cometeu o erro tem a obrigação de consultar seus pares e tomar a decisão correta conjuntamente. Se for constatado que houve erro, o árbitro pede desculpas e corrige a medida tomada, se não houve erro, a equipe reclamante deve aceitar, humildemente, a decisão do árbitro.

Não se deve esquecer o Artigo 4 e partir para agressão verbal, ou muito menos para agressão física. Tudo deve ser resolvido mediante conversação pacífica entre as pessoas envolvidas, com honestidade e sobretudo com bom senso de ambos.

Nos dias 21, 22 e 23 de setembro, o Brasil vai sediar, com muita honra, o 12º Campeonato Mundial de Gueitebol que é realizado a cada quatro anos. Será uma boa oportunidade para mostrar a civilidade, a educação e boas atitudes de gueitebolistas brasileiros aos representantes de 16 países de cinco continentes: África, América, Ásia, Europa e Oceania.

 

São Paulo, 06 de julho de 2018

União dos Clubes de Gueitebol do Brasil

 


Postado por União em 16/07/2018 na categoria Notícias da União


Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *